quarta-feira, 31 de março de 2010

Leitora compulsiva

Eu não gosto quando fico muito tempo sem postar. Não é justo com você, que tem o hábito de ler todos os posts de todos os blogs que você segue. Eu mesma faço isso, ou pelo menos tento ler todos. Ultimamente estou meio sem paciência de ler posts longos. Mas neste post, vou falar de uma mania boba que eu tive por muito tempo, consegui me livrar e quase caí em tentação de novo: ler mais de um livro ao mesmo tempo.

Isso é inaceitável para uma pessoa sã, deve ser o motivo pelo qual o meu cérebro dá alguns chiliques de vez em quando! Mas na tentativa de me justificar, eu me arrisco a dizer que sou uma pessoa que enjoo rápido das coisas, digo, das 'mesmas' coisas sem atrativos. É incrível como eu começo a amar um livro já no meio, a menos que seja um livro MUITO bom! 

Eu tentei arriscar ler 'O caçador de pipas' de Khaled Hosseini e 'Conversações' de Gilles Deleuze. Deu pra imaginar o que aconteceu? O Amir, de repente virou o 'Édipo', que é escritor e psicanalista ao mesmo tempo. Sem contar que, na maioria das vezes que eu leio, estou no ônibus (sem medo de descolar a minha retina) e morrendo de sono. Mas creio que este seja o tempero para eu lembrar das coisas, quando não me arrisco a fazer uma merda coisa dessas. 


Por fim, eu controlei a minha insanidade ansiedade e terminei de ler 'O caçador de pipas' e estou tentando 'dialogar' com o Deleuze e mais meia dúzia de homens doidos. 

terça-feira, 30 de março de 2010

Prosa matinal fúnebre

Desde que o trânsito se normalizou no centro de Niterói, eu consigo chegar na hora, e melhor ainda, pegar o ônibus com ar condicionado. Hoje, para a minha sorte, ele estava vazio. Mas foi enchendo no caminho. No banco atrás de mim, sentaram duas mulheres estilo 'nems'e começaram um papo nada adequado para uma manhã de terça-feira.


"-Minina, cê soube quem morreu?? Fulano!"
"-Ahh mintira, cê tá brincano comigo! Eu vi fulano sábado na missa..."
"-Num viu não, ele morreu de sexta pra sábado! Cê tá confundindo, Jubilângela! (nome fictício)"
"-Sábado eu 'vi ele' na missa, cê tá me confundindo. Tenho certeza que vi ele lá!"
"-Como cê viu se ele tava morto, todo mundo foi no enterro dele à tarde!?!?!"

"-Mas eu falei com Maricreuza (nome fictício) no domingo e ela num disse nada."


A outra já perdendo a paciência..."-Jubilângela! O cara morreu sexta, tá enterrado, não tem como mudar isso!"
"-....Hum, tá! É, agora me lembrei, sábado eu fui embora mas cedo! (...) Ele fumava muito né??"
"-Num é, minina?! Disseram que ele morreu porque parou de fumar...."
"-Não, ele fumava ainda. Eu lembro dele fumando no sábado mesmo..."


(...)

domingo, 28 de março de 2010

Foto: antes tarde do que nunca!!!


Eu tirei esta foto no último dia de Carnaval, num lindo pôr-do-sol em Jaconé. A modelo da foto se chama Isabela Oliveira, 16 anos e está desesperadamente me cobrando o envio da mesma. Então, aí está, píima querida, sua performance no ar fotografada por 'moi'. Beijos no coração...

sexta-feira, 26 de março de 2010

Vida de cobranças

É sempre assim, você tenta viver uma adolescência tranquila, mas sempre tem aquela tia pra te lembrar que você tá encalhada. Então, começa a cobrança: "Quando você vai namorar, hein?!?!". Até que, finalmente você arruma um namorado e consegue ficar com ele um tempinho bom, mas...começa: "Quando vão noivar??".


Você noiva! Mas a saga continua: "Quando vão casar?". Você casa! E continua: "Quando virá o baby?" Você deixa vir o baby! "Quando vem o segundo?" Você deixa vir o segundo.... "Quando vai deixar a sua filha namorar?". E você deixa a danada namorar. "E quando você vai ser avó, hein?".


E você manda todos irem pra merda e te deixarem em paz.  Aí a vida flui, e sem cobranças. Me deu até uma leveza escrever isso!!

quinta-feira, 25 de março de 2010

Vivendo e aprendendo

A vida é mesmo assim, a cada novo emprego, a cada nova turma, curso ou situação, surgem os novos amigos. Minha mãe sempre me disse que os verdadeiros amigos nós fazemos enquanto somos novos. Bem, eu não discordo plenamente, mas também não posso concordar da mesma forma. Porém, o que mais lamento é que todos irão partir um dia. Fato!


Então, descobri que sempre vai ter alguém pra me decepcionar, quando a questão é relacionamentos. Descobri também que o tempo já não importa tanto, pessoas inesquecíveis sempre voltam, mais cedo ou mais tarde. Entendi que se alguém acha que a minha amizade não é suficiente para o seu 'santo' ser, então foda-se, sou suficiente para quem quiser. 


Aprendi que pessoas que não são fiéis em seu próprio caráter ou personalidade, jamais conseguiriam manter a lealdade de uma amizade, por mais pura que ela possa parecer. Uma amizade não pode ser programada, não é gerada de expectativas, ela simplesmente acontece. Não esfria com as circunstâncias, nem deixa de ser amizade porque ambos pensam diferente. 


Finalmente eu compreendi e já decidi. Quem quiser a minha amizade, com certeza a terá. Mas vale ressaltar: 
"Me engane uma vez e a culpa é sua... me engane duas, e a culpa é minha!"

quarta-feira, 24 de março de 2010

O funeral do meu sogro

Há cerca de um mês atrás, o meu sogro faleceu. E como o meu namorado não foi criado por ele, ele ficou bem triste, mas foi algo controlável durante o dia da tragédia. O enterro foi em Jacarepaguá e ele me pediu para acompanha-lo. E eu fui...

Pela distância, o óbvio aconteceu, chegamos atrasados. Corremos até o túmulo para tentar enxergar algo, mas eu preferi parar no meio do caminho e deixar o meu namorado ir 'se despedir' do pai. Cumprimentei todos os poucos parentes que eu conhecia e os muitos que eu não conhecia. Após o enterro, descemos pelo caminho principal, todos juntos andando e os irmãos do falecido conversando.

"-Éé, era pra ser fulano agora, mas ele pulou. Quem será o próximo?" - disse uma das irmãs.
"-Você, se voltar à ordem antiga, mas se for pular de novo, deve ser Fulana, eu sei que eu sou o último!" - disse um irmão. 
"-Nem vem, se ele pulou não é problema meu! A próxima é fulana mesmo!" retrucou a 'próxima suposta vítima'.

Por um momento, pensei comigo "Nossa, é um funeral. Era pra todos estarem chorando, mas estão discutindo quem será o próximo?!". Eu, hein! Vai entender...

 Nesse dia, passei a amar um pouco mais a minha família!

segunda-feira, 22 de março de 2010

Os finais felizes nunca vistos da Disney

Recebi isto por e-mail e achei que valia um post:




Cinderela











Branca de Neve





Chapeuzinho Vermelho






A Bela Adormecida














Jasmin (Aladdin)


















Bela (A Bela e a Fera)


A pequena Sereia

...e não ter a vergonha de ser feliz!


Eu sempre fui 'cheinha', 'fofinha', 'gordinha'. É claro, quando somos crianças, ser chamada de gorduchinha é motivo para meia hora de choro com muito soluço, mas também, de muitos beliscões na bochecha. Como toda pessoa, a gordurinha era uma questão que mexia com o meu ego, e isso piorou quando o meu irmão nasceu sem nenhum vestígio de tecido adiposo em todo o corpo. Nada mudou até agora.

Eu não era a única gordinha da escola, do curso ou da rua, mas ser fofinha nunca me impediu de usar biquíni, saia curta, vestidinhos, nem nada disso. Não sei se era uma auto-confiança fora do normal, mas eu sempre soube que ninguém é perfeito. Este fato nunca me impediu de nada, principalmente de beijar na boca. Como vocês podem ver na foto. (eu e o meu primo Vinícius com 3 ou 4 anos):

>>

Então, com 15 anos, eu conheci a minha amiga. Ela também era gordinha (um pouco mais do que eu). Aos 16, começamos a malhar juntas e a sair. Íamos à algumas festas 'gospeis' (muitas eram piores do que as festas normais - hipocrisia pura!!) e beijávamos MUITOO! Essa era a minha vida, e eu gostava. Era a paquera, o lance dos 'dois casais' > eu, minha amiga e dois anônimos (que sempre variavam), conversando e rindo juntos.

Certo dia, ela me falou o seguinte: "Carol, você me ajudou muito! Antes de te conhecer, eu não acreditava que eu poderia ser paquerada ou desejada pelos garotos, porque sempre fui gorda, mas você me ensinou que os gordos também amam!". Na hora, eu ri muito. Mas ela falava sério!

Foi então que eu percebi que nunca tive vergonha de ser assim. Sempre usei biquíni na frente de todos os meus namorados e sempre entendi: eles ficaram comigo por quem eu sou. Eu nem sempre me mantive acima do peso, algumas vezes eu já alcancei o meu peso ideal. E adivinhem: em nenhuma dessas vezes conheci caras que ficassem comigo pelo meu interior. Não generalizando nem dizendo que vou ficar gorda pra sempre, mas que eu vivo a minha vida sem vergonha e 'sem medo de ser feliz'. De que mais eu preciso?

PS: Limite: fotos de biquíni (de corpo todo) no orkut já é o extremo da falta de vergonha. 

quinta-feira, 18 de março de 2010

Acasos do consumo

Sabem o que é...to feliz! Mau humor passou rápido e o fim de semana está quase chegando. Po-rém, um incidente que me faz questionar a vida internauta é o fato de eu participar da maioria das promoções do twitter e blogs, e nunca ganhar nada. Ontem, estava eu tranquila e calma, trabalhando no meu computador, quando um colega deu um grito: tinha ganhado ingressos pra assistir a estreia de um filme (que não me lembro o nome). Ele nem mesmo participou, leu a mensagem e mandou uma DM para o perfil "É só enviar DM que eu concorro?"...recebeu a resposta: "Parabéns, você ganhou!!" :O Que mundo injusto! 




Mas enfim, to feliz porque hoje vou pegar meu maravilhoso perfuminho Absynthe - Christian Lacroix - que comprei e economizar um pouco o meu Be Givenchy que ganhei de presente da Christie, e também chegam os acessórios de maquilagem que eu encomendei. Na semana passada eu comprei uma bolsa maravilhosa, infelizmente não tirei foto dela ainda nem achei nenhuma parecida na internet. Comprei também algumas blusinhas e sandálias, bem básicas. Na próxima semana eu vou comprar o maravilhoso Snob da MAC, um batom que custa no mínimo R$ 80 (e vale cada centavo). Minha unha saiu do 'rosa chiclete' para o 'noite de gala' ontem.

Neste post eu estou extremamente materialista, mas eu vou me redimir e ler um livro inteiro do Castells ou do Adorno (grande Adorno!) hoje mesmo. Juro que vou! 

 

terça-feira, 16 de março de 2010

Desabafo - parte II

Como já devem ter percebido, hoje eu to de mau humor. Este é um estado que vocês raramente vão me encontrar. Triste > sim? Desanimada > talvez. Mas irritada somente uma vez ao mês e particularmente, com o meu querido e pobre Vinicius, e este não é o caso atual. 

É tipo isso: Ontem eu saí de casa pra ir pro trabalho, e já estava sem luz devido à chuva, então, decidi ir de tênis para não correr o risco de molhar o pé na 'lama' de chuva do centro de Niterói. Então, simplesmente faz um calor miserável e eu, de tênis, mega irritada (eu odeio usar tênis, com todas as minhas forças!). Pra variar, hoje acreditei que não fosse chover, que seria como foi ontem, então, adivinhem?? Fui de sandália. E CHOVEU! Choveu muito quando eu desci do ônibus até a minha casa. A sombrinha era nova, minha mãe comprou a pouco tempo, e (que engraçado!), estava furada e com uma goteira bem na minha testa. Parece até mentira!

No ônibus, indo pro trabalho, simplesmente não consegui dar a minha cochilada matinal porque sentaram simplesmente 7 (sete) pessoas do meu lado, e todas elas fizeram questão de me dar um esbarrão quando se acomodaram no banco, como se estivessem aliviadas. Então, finalmente, no ônibus voltando pra casa, fui eu quem sentei na beira, e ao lado de uma mulher miserável que manteve a janela fechada durante todo o percurso. Para piorar, no meio do caminho, choveu....e choveu, choveu muito....eu acordei sufocando, porque TODAS as janelas estavam fechadas, e o bafo era tanto que eu não enxergava o lado de fora do ônibus. 

Experiência péssima e muito irritante. Eu juro que na minha imaginação naquele momento, eu abria a janela com a trave de segurança e jogava aquela mulher pra fora do ônibus!! Mas infelizmente, tudo o que eu pude fazer era xingar (e muito) por pensamento aquela VACA, filha de uma SAPA desmamada!!!

Por fim, sobrevivi!

Desabafo....

Há quase uma semana eu tento escrever este post, mas a minha inspiração simplesmente some. Então, já que hoje é meio que um dia de revolta, ou pelo menos deveria ser, eu decidi que, não vou mais ligar para aquele amigo que não fala comigo há muito tempo, e que sempre me manda scrap dizendo que tá com saudades. Se tá com saudades, é só me ligar, ora!! Não vou mais chamar ninguém pra almoçar comigo.

Não vou mais tentar fazer as coisas voltarem a ser como antigamente, não vou mais aturar pessoas chatas por educação, não vou mais me sacrificar emocionalmente sem visar reconhecimento. Não vou mais esperar que as pessoas evoluam por si próprias, vou passar a agir mais. To cansada de ver as pessoas entrando e saindo da minha vida em grande velocidade e sem nenhuma explicação.

Vejam bem, este post não tem nada a ver com o meu relacionamento com o meu Tutuquinho. E esta é mais uma prova de que o namoro não é tudo. Pra mim, é mais do que suficiente, mas no meu dia-a-dia, sinto falta dos meus antigos amigos e de suas risadas e piadas que só nós entendemos. 

Mas querem saber qual é a ironia? Apesar de não ter luz em toda a minha rua desde o último domingo, na minha casa as coisas não poderiam estar melhores. É claro, como toda família, temos desavenças e discordamos de muitas coisas, mas há algo agora que há muito tempo não sabíamos o que era: privacidade.  Bem, é isso, desculpem pelo desabafo.

quarta-feira, 10 de março de 2010

A vizinha 'sem noção'


Eu tenho uma vizinha que tem lá seus 45 anos, frequenta uma igreja bem tradicional e não tem marido, namorado, noivo nem nenhum sujeito do sexo masculino próximo, exceto o seu pai. Dizem as más línguas que ela ainda é virgem (isso não é surpresa pra mim, considerando o grau de chatice). Essa figura é a típica 'chata da rua' e quando é vista, mesmo de longe, as pessoas se 'escondem' ou fingem que estão no celular. E eu sou uma dessas pessoas.



Essa 'indivídua' é o ser mais inconveniente do mundo. Certa vez, eu ganhei um secador de cabelo que tinha  algo parecido com um pente na ponta e alisava de maneira bem prática. E então, depois de usa-lo, saí toda arrumada, a pessoa me viu e perguntou:
Vizinha Chata: -"Nossa, seu cabelo tá lindo, o que você fez?"
Eu: -"Brigada, foi um secador que eu ganhei..."

Vizinha Chata: -"Humm, qualquer dia desses eu vou passar lá pra você fazer no meu, então!"
Eu (num espírito de educação): -"Ah, vai sim - hehe" (querendo dizer: Tá maluca?!?!?!)


Eu já conhecia a fama dela de 'sem noção', uma amiga que mora do meu lado fazia as unhas pra ela todo sábado e de graça, por fazer muito bem e não saber dizer não. Bem, eu não sei dizer não também...mas terminem de ler.
No sábado seguinte, eu estava me arrumando pra ir no cinema com o meu namorado, e a pessoa 'sem noção' apareceu no portão, com o cabelo molhado, me cobrando a escova que eu havia prometido.
Vizinha Chata:-"Como eu não consegui marcar horário no salão, vim aqui te pedir esse favorzinho".



"Mew, o que eu faço com uma pessoa dessas?"

Querem saber se eu fiz a escova? SIM.
Como? Do pior jeito possível, eu puxei os fios pra cima, pro lado, joguei vento de baixo pra cima.  E como o cabelo dela é bem crespo, no fim da escova ela estava idêntica ao bozo





E num fio de esperança, ela perguntou: "e a sua chapinha? Vai passar?"
Eu (muito cara-de-pau): "Menina, num é que a chapinha tá ruim?!?!?!"



A pessoa NUNCA mais me pediu pra fazer escova outra vez. E no dia seguinte, estava com os cabelos lavados. Missão cumprida!!

segunda-feira, 8 de março de 2010

Dia internacional da mulher

Hoje é o dia internacional da mulher. Acredito que todos que já passaram ou ainda estão no Ensino Médio saibam a história desta data e o que ela significa para todas nós, hoje. Este dia NÃO é feriado, não ganhamos presentes (pela lógica), o que nos resta é um pouco de reverência à nossa espécie feminina, frágil e perigosa, ao mesmo tempo. E em homenagem a este dia, vou postar aqui uma música maravilhosa que particularmente melhor expressa a existência da mulher brasileira.


Maria, Maria - Milton Nascimento na voz de Elis Regina


Maria, Maria, é um dom, uma certa magia
Uma força que nos alerta
Uma mulher que merece viver e amar
Como outra qualquer do planeta
Maria, maria, é o som, é a cor, é o suor
É a dose mais forte e lenta
De uma gente que ri quando deve chorar
E não vive, apenas aguenta

Mas é preciso ter força, é preciso ter raça
É preciso ter gana sempre
Quem traz no corpo a marca
Maria, Maria, mistura a dor e a alegria
Mas é preciso ter manha, é preciso ter graça
É preciso ter sonho sempre
Quem traz na pele essa marca
Possui a estranha mania de ter fé na vida 







sexta-feira, 5 de março de 2010

Filosofezes

Hoje eu acordei muito feliz por ser sexta-feira, por ter a certeza de que não vou trabalhar amanhã e que verei o meu namorado hoje e mais ainda, porque fez sol pela manhã. Não que eu não goste da chuva, mas tudo demais enjoa. E depois de trabalhar tantos fins de semana com sol...enquanto todos iam para a praia, lá estava eu indo ganhar o meu pão de cada dia (o salário só dava pra comprar um pão diário mesmo).

Então, ultimamente eu estou extremamente filosófica. Demais mesmo. Mania de analisar as pessoas e seus pontos de vistas, e relaciona-los com suas vidas, conquistas e atitudes. E sabem, eu tenho uma amiga perfeita que é assim o tempo todo, a Christie. Conversar com ela é, com certeza, um enriquecimento intelectual intenso. Nós falamos sobre tudo e todos (os conhecidos em comum). Essa menina é a pessoa mais divertida do mundo inteiro. 

Ontem nós conversamos muito sobre o fim do mundo. Apesar da grande maioria das pessoas não acreditar nisso, ou pior, depois de assistir o filme 2012, deixaram de dormir, o fim do mundo dá provas de que está cada dia mais próximo. Mas eu não vou me estender no assunto porque falar sobre isso é coisa de maluco.  Mas vale ressaltar este diálogo:
Então, minha 'chéri' que mora na Bélgica e conhece os lugares mais lindos do mundo e a Europa toda, disse:
 -"Carol, eu não posso morrer agora, ainda tenho muita coisa pra ver!!!" (Hein?! eu não vou morrer nunca, então).
Respondi: -"Chris, o que você já viu tem gente que sonha em ver e que nunca vai ver na vida toda. Ainda mais se o mundo acabar!"
Amiga: -"Cê tá dizendo que eu posso morrer agora?!?!?!?!"

Então tá, né...Carpe diem!!!

segunda-feira, 1 de março de 2010

A futilidade dos relacionamentos

A cada dia que passa eu fico mais apavorada com a futilidade que os relacionamentos se encontram hoje em dia. Uma grande amiga, uma das melhores pessoas que eu já conheci, namorou um cara durante quase 3 anos. Mas não foi um namoro qualquer, em alguns meses, ela foi morar na casa dele e a relação não deixava de ser um tipo de casamento. Eu fiquei um tempo sem encontrar essa amiga e quando nos comunicamos pelo msn, eu levei o susto: ela tinha terminado, se mudado e já estava namorando outro rapaz. Com este eu acompanhei o término, e outro dia, a encontrei perdida perto do meu trabalho. Adivinhem: ela me disse que estava namorando outra vez. 

Isto não é uma crítica, muito pelo contrário, eu acho mesmo que as pessoas devam seguir a vida, afinal, de que adianta viver de passado? Mas quem conhece esta pessoa, sabe o quanto ela é incrível e eu me pergunto: o que esses caras têm na cabeça que deixam uma pessoa tão maravilhosa como a minha amiga simplesmente sair de suas vidas?! Fico imaginando como uma pessoa pode compartilhar da mesma cama, da mesma mesa, dos mesmos momentos únicos, dificuldades e alegrias, e simplesmente, ir cada um pro seu lado.

Toda a questão é: onde o casamento e a formação da família vão parar com a futilidade com que os relacionamentos são tratados hoje em dia? A maioria das pessoas com o pensamento de 'curtir estar solteiro(a)', acaba perdendo o que há de melhor em estar com alguém e compartilhar o melhor que há em si próprio.

Pensem nisso...

Homens: seres não-humanos


Os homens, esse é o assunto deste post. Todos sempre falam que as mulheres são complicadas de entender, porém, estas criaturas são estranhas demais. Eles nos fazem pensar que são previsíveis, no entanto, eles nos surpreendem sempre, seja com coisas boas, más, engraçadas ou até mesmo estranhas.

Então, eu convivo mais com quatro homens: pai, irmão, avô e namorado. Mas este post vai específico para o meu amor:



Vini: -"Eu não compro uma carteira nova porque quem me deu esta (caindo aos pedaços) foi a Carol. Tenho medo dela se sentir ofendida, então to esperando ela me dar outra..."
Eu:-"Não se preocupe, amor, eu não me importo que você compre outra!"
Vini:-"Tudo bem, eu espero você me dar...^^"



Cara-de-pau!!

Eu: -"Amor, to precisando de um fone, tenho que lembrar de comprar um..." (sentiu o verde, né?!)
Vini: -"Não, minha linda, deixa que eu te dou um de presente!"
...2 meses depois...

Eu: -"Amor, olha o fone que eu comprei!"
Vini: - "Comprou por que? eu ia te dar um!"

Eu: -"Eu precisava de um ainda esse ano..."


PS: Ele ainda não ganhou uma carteira nova e o meu fone está ruim!!!