quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Minha arte do buço


Confesso que não tenho buço! Juro que não....e sempre me senti excluída quando minhas amigas se juntavam para falar sobre. Eu tenho pelos em todas as partes, menos no 'bigodim'. As mulheres dizem que eu sou louca, e eu sinceramente acredito que sou, pois se eu tivesse buço, teria vergonha e tiraria. Cansei de ver minhas amiguinhas serem apelidadas de "Frida" na escola.

Pois bem, o fato de não tê-lo me fez, como uma criança, criar uma experiência um tanto 'arteira'. Enquanto eu escovava os dentes, ontem, encontrei no armário do banheiro um creme depilatório 'para o corpo', o que supus servir para todas as partes. Sem pensar duas vezes, passei o creme no lugar aonde eu deveria ter pelos para tirar, no buço. Dois minutos e meio depois...retirei! E adivinhem só....ardia, queimava e empolava. Somente depois de passar eu li no rótulo: "recomenda-se não passar no rosto, nem em regiões genitálias". (Ufa! ... ainda bem que eu passei no rosto...)

Fiquei com a marca de um cavanhaque vermelho. Me senti como se tivesse sido barbeada. Dormi torcendo que o vermelho saísse, pra eu trabalhar em paz no dia seguinte, sem ser eternamente zuada. Graças a Deus, acordei sem marcas e com um 'bumbum' de neném em torno da boca.

Agora eu entendo perfeitamente a expressão: "tem gente que reclama de barriga cheia". Ou de bigode vazio, tanto faz!

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Profissional com muito orgulho



De manhã enquanto eu caminhava até o ponto de ônibus para ir ao trabalho com o fone no ouvido escutando minhas musiquinhas preferidas, uma menina de mais ou menos 20 anos seguia andando atrás de mim, completamente desligada da realidade de que estava em público. Ela falava ao telefone em alto volume e com um vocabulário vulgar. Indignada com o 'chefe' do outro lado da linha, a tal gritava pra quem quisesse ouvir:


"Fulano, eu só to 'pedino' dois dias na semana, Fulano. Num to de 'galinhagi' não, eu só quero ter dinheiro pra pagar meu curso pra não depender de filho da puta nenhum ninguém, Fulano. Olha, se eu tivesse mil 'conto' eu pagava o curso sem pedir nada. Eu preciso 'dum diproma' pra eu conseguir emprego em um salão bom, arrumar umas 'crientes boa' e fazer minha vida. (...)"


Momento voltei a ouvir a música...agora voltei a prestar atenção nela... 


"(...) olha só, Fulano, você tá me saindo um chefe muito do filho da puta ruim, Fulano. Você é pior do que Alex (nome verídico, mas como eu não conheço...), porque Alex podia ser tudo, mas eu não dormia com ele. Agora você sabe comer aproveitar, mas não sabe dar valor. É foda péssimo ser sozinha no mundo (...) Puta Mulher de vida fácil é a sua mãe, Fulano. E quer saber, vai se fuder pastar você e o seu emprego. Enfia o seu emprego no Cadastro Único (CÚ)!"


E desligou!


Meninas, cuidado na hora de fazer o cabelo! Lembrem-se que a qualificação desta profissional foi conquistada com muita foda sacrifício! 

domingo, 15 de agosto de 2010

Como assim?



Por volta das 19h30, enquanto eu saía da Ideia S/A (éé, voltei \o/) e seguia rumo ao meu lar, morrendo de fome, doida pra comer algo de chocolate e cansada, quando ao atravessar uma rua uma senhora que aparentava seus 65 anos, muito bem cuidada, por sinal, ignorando totalmente o meu fone de ouvido começou a tagarelar sem parar:


"Vim do mercado...é a terceira vez que vou fazer xixi lá, os empregados até ficaram rindo quando voltei...é que eu vim fazer aquele exame que a gente bebe muita água, mais na hora eu estava com sede e bebi quase dois litros d'água de uma vez (isso é possível?)."


Em nome da educação, eu retirei um dos fones do ouvido para escutar o que ela dizia na esperança de que ela fosse atravessar a rua em breve, mas ela veio me acompanhando até o fim da rua.


"O médico disse que eu to com cálculo renal, mas se eu me cuidar, nem preciso operar. Mas aí você já viu, né?! Posso também estar diabética, o que seria o fim pra mim. Eu não consigo ficar longe de um docinho. E o pior é que com o remédio que eu to tomando, todos os dias eu tenho dor de barriga, fica uma coisa horrível, mole feito chocolate e fedido que nem eu aguento". (ECAA)


Eu precisava mesmo ouvir isso? Como assim?


Coloquei o fone de volta e apressei o passo, deixando a velha com cara de bunda e totalmente no vácuo. Fala sério, depois dessa nem quis mais comer chocolate e também não jantei!

terça-feira, 3 de agosto de 2010

E assim se foi o nosso dia de praia!


Ter o luxo de ir à praia em pleno inverno é um privilégio dos brasileiros, especificamente, dos cariocas! Então, na minha primeira semana de descanso e a última de férias da Bela, nós planejamos passar um dia inteiro fazendo nada na praia...olhando o pôr-do-sol e deitadas na areia fria. Mas isso não aconteceu...esse dia era hoje e como todos puderam ver, amanheceu nublado, com chuvas e quedas de temperatura. 

Agora só nos resta esperar o retorno do sol...e um dia de folga!