quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Simples como isto!

Há alguns meses venho trabalhando a minha paciência e senso de manter a boca fechada em meio ao convencimento mútuo do conceito de competência. É sério, nunca me senti tão boa no que faço.

Sabe aquela história, mesmo que você não seja a mais lindona do mundo, mas, quando está num grupo de feiosas, acaba sendo evidenciada? Vivo esta história agora, no âmbito profissional.


Desmotivada? Acho que não. Ambiciosa? Muito mais.
Corajosa? Simplesmente inefável. 


Que venha 2012. Tô pronta!

quarta-feira, 23 de março de 2011

O melhor psicólogo - eu recomendo!




"Caro Antônio Roberto, Psicólogo e psicoterapeuta

Espero que possa me ajudar.

Peguei meu carro e saí pra trabalhar, deixando meu marido em casa vendo
televisão, como sempre. Rodei pouco mais de 1km quando o motor morreu e
o carro parou. Voltei pra casa, para pedir ajuda ao meu marido.
Quando cheguei, nem pude acreditar, ele estava no quarto, com a filha
da vizinha!
Eu tenho 32 anos, meu marido 34, e a garota 22. Estamos casados há
10 anos, ele confessou que eles estavam tendo um caso há 6 meses. Eu o
amo muito e estou desesperada. Você pode me ajudar?

Antecipadamente grata.

Patrícia"





RESPOSTA



Cara Patrícia,

Quando um carro pára, depois de haver percorrido uma pequena distância,
isso pode ter ocorrido devido a uma série de fatores. Comece por
verificar se tem gasolina no tanque. Depois veja se o filtro de gasolina
não está entupido.
Verifique também se tem algum problema com a injeção eletrônica. Se
nada disso resolver o problema, pode ser que a própria bomba de gasolina
esteja com defeito, não proporcionando quantidade ou pressão suficiente
nos injetores. A pessoa ideal para ajudá-la seria um mecânico. Você
jamais deveria voltar em casa para chamar seu marido. Ele não é
mecânico. Você está errada. Não repita mais isso.


Espero ter ajudado.

Antônio Roberto

Fonte: via e-mail

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Restaurante chinês, garçonete 'paraíba'

Há menos de um mês, eu fui almoçar com minha mãe em um restaurante chinês aqui no centro de Niterói. Minha mãe se serviu primeiro e sentou próximo à saída. Enquanto eu pesava o meu prato, ouvi duas garçonetes conversando:

Garçonete 01: "-Esse 'réfri' é pra 'ondí'?"
Garçonete 02: "- É 'praquela' moça lá 'cum' cara 'di paraíba' (apontando para a minha mãe)....ha-ha-ha"
Garçonete 01: "hahaha" - e foi servir à minha mãe.

Esperei para ver se era mesmo a 'paraíba' certa. Assim que minha mãe pegou o refrigerante, eu me dirigi à Garçonete 02:

" - Boa Tarde, querida! Você poderia, por gentileza, solicitar a presença de sua gerente até aqui?".

A sujeita foi até a cozinha e voltou com uma Chinesa de calça jeans, blusa regata e tênis. (Sem preconceito com o visual da 'gerente').

Eu: "- Boa tarde! A senhora é a gerente deste estabelecimento?"
Gerente: "Xim!"


Eu: " - Pois bem, eu gostaria de esclarecer que eu e minha mãe, que somos clientes deste restaurante há mais de cinco anos, fomos ofendidas com palavras torpes e em tom ofensivo. Esta funcionária se dirigiu à minha mãe em um tom de crítica, provavelmente causada por alguma espécie de tormento interno anal ou por problemas psicológicos".
Gerente: "Xim! A-lam"
Eu: "O que temos que ter sempre em mente é que a complexidade do tratamento efetuado aos clientes estende o alcance e a importância dos paradigmas corporativos. Do mesmo modo, a determinação clara de objetivos oferece uma interessante oportunidade para verificação de alternativas às soluções ortodoxas. Desta maneira, a expansão dos mercados mundiais é uma das consequências das diversas correntes de pensamento. Por isto, solicito que a gerência tome as devidas medidas cabíveis".
Gerente: "Tá, Bligada, tá?"

Duvido que ela tenha entendido um terço das palavras que eu falei.

Na fila para pagar, a Garçonete 01, que ouviu a conversa, veio falar conosco:



Garçonete 01:
"-Vixi, moça, a 'genti' fizemos algo que ôces num gostô?"
Eu: "Sim, o que aconteceu foi isso...blábláblá"
Garçonete 01: " - Olhi, disculpe pelo mal entendido, mas nós num falô isso não..."
Eu: "Só digo uma coisa, que isso não se repita aqui".
Garçonete 01: " - Sim, mais uma vez, 'disculpi!'".
Já na porta eu virei e disse para a minha mãe:

"- Viu, mãe? Não passava nem uma agulha no Cadastro Unico (C.U.) da garçonete paraíba..."

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Tribal Wars


Juro que tento, mas não consigo me livrar desse vício. A culpa é do Vinícius, que me apresentou a esse jogo de homenzinho, que já me fez pagar 3 meses de conta premium. Vê se pode? Logo eu que escrevo sobre moda e beleza, que adoro coisas de mulherzinha, todos os dias boto o meu cérebro pra exercitar estratégias de jogo para dominar aldeias inimigas.


Tô nessa há mais de um ano...O pior é que o que mais me motiva a jogar é uma outra menina que se declarou minha inimiga. Me sinto na época do Ensino Fundamental, quando rolava aquela rivalidade entre 'colegas'. Ah, como era bom. Eu nunca mais pude desfrutar de tal situação.


Mas enfim, quem tiver afim de conhecer um jogo maneiro na web, fica a dica!

domingo, 2 de janeiro de 2011

Balanço de 2010





Posts no blog: 85
Mudança de igreja: 1
Carros vendidos: 1
Carros comprados: 0
Empregos conseguidos: 2
Empregos perdidos: 1
Smartfones ganhos pelo namorado: 1
Assaltos sofridos: 1
Celulares perdidos no assalto: 0 (pergunte-me como!)
Amizades perdidas: 1
Idas à praia: 13
Novas amizades: 30
Livros lidos: 5 e meio
Convites para madrinha de casamento: 1
Mudanças no cabelo: 3
Reportagens com presos, lama e defuntos: 70
Artigos científicos escritos: 1
Viagens para outro Estado: 1
Vícios em novos jogos: 2
Motivo de piada em uma roda de 'amigos': 1
Saídas com a melhor amiga e o namorado gringo: 17
Filmes assistidos: 1 milhão
Matrículas na academia: 4
Móveis trocados:
Roupas novas: milhares
Brigas familiares: + - 100
Apresentações à namorada do irmão: 1
Provas para mestrado: 1
Trabalhos acadêmicos feitos por dinheiro: 2
Quilos perdidos: poucos
Quilos ganhos: alguns
Mortes choradas: 1
Nascimentos de bebês muito esperados: 1
Despedida de amigos por período temporário: 1
Descoberta que um antigo amigo era gay: 1
Fugas dos papos da vizinha sem noção: 10
Acidentes de trânsito: 0
Retrovisores abduzidos: 1
Brigas com o namorado: milhares
Lágrimas derramaras: centenas
Gargalhadas: milhões
Noivados: 1
Novos sonhos e planos para 2011: incontáveis

Aos leitores deste blog, aos amigos que o acompanham e cobram as atualizações, às pessoas que vez ou outra acessam por educação, às amigas que pedem mais posts sobre a vizinha sem noção, àqueles que convivem comigo diariamente por prazer ou necessidade de suportar minha presença por falta de opção, aos amigos que estão do outro lado do Atlântico e ainda sim, sempre estão dispostos a me 'ouvir' quando preciso, aos amigos que por opção, não são mais tão amigos e aos que, independente de meus atos ou modo de viver, sempre estão comigo. Ao meu amigo que beija a minha boca todos os fins de semana e em alguns dias indefinidos, ao meu irmão, que de pentelho se tornou meu grande amigo. E ao restante do povo que eu não to afim de escrever mais:


Feliz 2011!